"O homem da areia", de Lars Kepler - OPINIÂO

Desde pequena que me lembro de ler bastante, lia autores um pouco avançados para a minha idade, simplesmente porque eram os livros que tinha disponíveis em casa.
No entanto, com o nascimento dos meus filhos acabei por ler cada vez menos e lia essencialmente livros práticos: temas como a gravidez, pediatria, alimentação saudável, etc.

Assim, atualmente não me considero grande especialista em literatura, acho que perdi um bocado o sentido critico e não estou por dentro das novidades e estilos que existem.

Este ano decidi que ia começar a disciplinar-me, isto é, abandonar a tv/net e voltar a ler todas as noites, um bocadinho.

------------------------------------------------------------------------------------------------

Relativamente ao livro "O Homem da Areia" devo dizer que me surpreendeu muito pela positiva, é um livro com 504 páginas que prende desde a primeira página, li de forma ávida em cerca de uma semana (talvez menos).

Consegui desenvolver facilmente uma imagem mental dos principais cenários e passagens principais, aliás à medida que estou a escrever estou a visualizar o hospital, a casa do pai das duas crianças desaparecidas, as cenas finais no porto, a neve, enfim é um livro muito completo, uma história que prende, de leitura fluída e que nos permite dar asas à imaginação.

Fiquei com vontade de ler outros livros do(s) autor(es), se bem que tenho lido que este é dos melhores, portanto vou aguardar uns meses até me aventurar noutros títulos.

E por aí, conhecem estes autores?

Granola Caseira

Neste sábado que passou fomos até Lisboa, rever os meus antigos colegas de faculdade - agora com os respectivos companheiros(as) e filhos(as). Foi um convívio muito agradável, passaram 20 anos desde o inicio do nosso curso, cada um seguiu a sua vida, mas a conversa fluiu de forma natural e divertida.

Mas claro que um dia fora de casa me "complica" a vida doméstica e o domingo foi passado numa correria para colocar todas as tarefas em dia. Assim, para o jantar de domingo preparei uma espécie de polvo à lagareiro, com batatas assadas no forno, já que é um prato do agrado de todos e relativamente fácil de executar.

Aproveitei o calor do forno e preparei uma granola caseira, algo que já não fazia há algum tempo (por pura preguiça, mas é tão fácil de fazer...).

Ingredientes:

  • Frutos secos: amêndoas, avelãs, cajus, pistachios
  • Fruta desidratada: chips de coco, manga desidratada, banana seca, tâmaras medjol
  • Cereais: flocos de aveia e flocos de milho
  • Temperos: pitada de sal, gengibre em pó, canela, farinha de alfarroba, óleo de coco e mel 
Procedimentos:

Piquei os frutos secos com uma faca, numa taça juntei-lhes os flocos de aveia e um pouco de óleo de coco. Depois de a mistura estar bem humedecida, acrescentei os temperos secos e por fim um pouco de mel.
Espalhei esta mistura num tabuleiro e foi ao forno quente a tostar (cuidado para não queimar).
Entretanto piquei a manga desidratada e as tâmaras, parti a banana seca e coloquei num recipiente, juntamente com o coco e os flocos de milho.
Por fim juntei a mistura que estava no forno, ainda quente, e envolvi bem. 

 
Notas
A elaboração de granola caseira é relativamente simples e podem ser usados vários tipos de sementes, frutos secos, cereais ou adoçantes. Apenas se recomenda que as frutas desidratadas não vão ao forno, pois queimam facilmente (já me aconteceu queimar chips de coco). 
As quantidades/proporções são um bocado "à escolha do freguês" mas não convém abusar no mel (ou outro adoçante). Tenho alturas em que faço mesmo sem mel, uso um pouco mais de tâmaras (ou alperces, ou outra fruta doce).
Já cheguei a fazer granola numa frigideira, serve na mesma para tostar e o tostar é para ajudar a libertar os aromas dos frutos secos.

Bom Apetite!

Receitas Redon: risoto de atum e camarão

Lá em casa nada se desperdiça. Quando sobra alguma comida, esta é servida no dia seguinte ou aproveitada para confeccionar outros pratos.

Foi o que aconteceu com um molho de tomate onde tinha estufado uns chocos. O molho estava muito rico, com tomate e pimentos assados, seria um "crime" deitar fora. Inicialmente ia fazer um simples arroz de atum, mas saiu risoto!

Ingredientes:
- arroz para risoto
- caldo aromático (no caso usei o tal molho que sobrou, onde acrescentei um pouco de água);
- 2 lata de atum (em azeite)
- 1 pinhões (tostados na frigideira com um pouco de alho em pó e sal)
- camarões
- vinho branco q.b.
- 1 colher de natas frescas
- 1 mão cheia de queijo ralado

Confecção:
Coloquei o caldo a aquecer (juntei água até perfazer pelo menos 3 vezes a quantidade de arroz que ia utilizar).
Entretanto salteei os camarões em azeite e juntei ao caldo.Tostei os pinhões, abri as latas de atum (escorri o excesso de azeite).
Coloquei mais azeite no tacho, juntei o arroz e deixei "fritar" ligeiramente. Juntei cerca de 1 cálice de vinho branco e comecei a acrescentar o caldo, pouco a pouco, mexendo sempre. O truque neste tipo de arroz é ir acrescentando o caldo quente, mexendo sempre, para que liberte a goma característica do risoto. Conforme o arroz vai secando vamos acrescentando liquido, até que o arroz esteja totalmente cozinhado mas não seco.
Nos últimos minutos juntei o atum com os pinhões e um pouco de natas, para aumentar a cremosidade.
Depois de cozinhado, envolvi o queijo ralado, para que derreta.
Servi com uma salada verde.



Embrulhos e laços mais sustentáveis

Hoje recupero este post do outro blog Como fazer embrulhos de natal (ou outras festividades) mais ecológicos e económicos, dica que contin...