Por aqui

Têm sido dias de muito trabalho (ainda bem, prefiro trabalho a mais do que passar os dias a olhar para o pc), por isso não tenho vindo a este meu cantinho.


  • Continuo com a saga "destralhar vs acumular" (eu recolho itens para doação, os miúdos trazem brinquedos e livros para casa...);
  • Consegui vender alguns itens, livros e brinquedos, pouca coisa mas devagarinho se chega longe!
  • Estou a colocar mais livros e outros itens à venda, coisas que não uso, não me faz sentido guardar. Alguma roupas minhas foram para o contentor de doação (dei mais uma boa volta ao roupeiro);
  • Recebi um saco de roupa enorme para os rapazes, muitas camisas e camisolas, poucas calças (pena). Já está tudo lavado, arrumado, guardado. O tira borbotos já trabalhou para recuperar uma camisola que vinha mais "feia", ficou quase como nova!
  • Finalmente arrumei os itens que estavam poisados (à que tempos) num parapeito da janela da cozinha! Porque lá estavam? Quem sabe...
  • Também finalmente dei a volta às fraldas que tinha lá em casa, enviei bastantes para a sala do mais novo, lá há meninos que ainda usam fraldas e pode dar jeito umas extra (para além de que a instituição têm também meninos dos lares de acolhimento);
  • Comprei à tempos uma slowcooker (a do Lidl) já fiz alguns pratos e gostei. Acho que me vai ser muito útil naquela fase do ano em que o marido tem mais trabalho e eu vou ficar responsável por levar os miúdos às atividades desportivas!
  • Voltei à leitura, José Saramago "Todos os nomes", gosto muito da escrita de Saramago, o último livro confesso que não em agradou muito mas este está a prender-me;

Até ao final do ano não consigo fazer (e muito menos cumprir) quaisquer planos: vão começar as festas de aniversário lá em casa (a minha filhota e eu), as festas de Natal, as preparações de itens para venda dos meus finalistas (a B. vai para o 5º ano, o Z. vai iniciar a escola primária). 
O dia a dia é uma azáfama (pior agora com o horário de inverno, em que escurece muito mais cedo), o frio pede mantas, sofá, lareira e cama, o fim-de-semana é passado entre as tarefas domésticas, preparar refeições da semana, tratar da roupa (lavar e secar roupa de uma semana inteira e de 5 pessoas é dose) tratar dos nossos animais e jardim... 

E estou a preparar-me mentalmente para a chegada das primeiras viroses: o tempo frio e as escolas quentes propiciam isso mesmo, em especial nos mais novos, como o R., cujas defesas ainda estão a "amadurecer".

O apelo ao consumo... (e de como ontem me senti uma provinciana)

Ontem fui até à capital, já não ia a Lisboa à um par de anos (excepto para reuniões, em que não há tempo para frequentar lojas ou afins).

Zona do Saldanha: está tudo tão diferente dos tempos em que eu estudava ou trabalhava em Lisboa!
Novas lojas (entrei pela primeira vez na Tiger, descobri que há lojas Detla Q e na zona de restauração vi novos conceitos de comida - comida a vapor?) e muitas pessoas, mesmo muitas pessoas, isto para quem está habituado ao dia a dia de uma cidade mais "provinciana".

Um apelo ao consumo brutal, nas montras, lojas, nas publicidades. Na tiger objectos giros (alguns sem utilidade nenhuma) a um preço convidativo (quem resiste a "pechinchas" de 1 ou 2 euros?). Só mesmo uma forreta como eu...

Agora que estou "fora" vejo as coisas com outros olhos, o que dantes era uma mais-valia (ter as lojas todas perto umas das outras, sair de uma loja e entrar na do lado, comprando uma pecinha de roupa em cada uma), as montras cheias de cores e novidades, agora tudo isso se torna excessivo para mim, excesso de estímulos (excesso de tentações também). Excesso de pessoas na rua (bem vestidas, penteadas e maquilhadas, centradas na imagem, já que o trabalho assim o exige), nas lojas, nas zonas de restauração...

Confesso, senti-me uma provinciana parola que vai até à cidade, fica extasiada com tantas cores e luzes mas ao mesmo tempo tonta com tantos estímulos.
Definitivamente sou uma rapariga do campo.

Como descascar uma romã (ou a utilidade da internet)

Já se sabe que na internet encontramos todo o tipo de conteúdos, úteis, fúteis, inúteis, informativos, desinformativos... mas no ano passado, apareceu-me no feed do facebook um vídeo de "como descascar uma romã em segundos" que mudou a minha vida! (vá, mudou só um bocadinho).

Na minha casa, à porta da cozinha, tenho duas grandes romãzeiras, mas sempre achei uma grande seca descascar aquela fruta, basicamente aproveitava meia dúzia de frutos para comer e os restantes transformava em sumo (espremendo no espremedor de laranjas), doava uns quantos sacos e deixava estragar mais umas quantas.
Mas desde que descobri o método de "abrir em flor" que acho a tarefa bem mais fácil!



E sim, já tinha tentado o método de bater na romã (alguns grãos ficavam pisados e com mau aspecto) e o método anunciado pela bimby (na yammi claro), que acabava por triturar algumas sementes e fazer muito lixo (aquelas casquinhas todas misturadas com os bagos da romã...).






Embrulhos e laços mais sustentáveis

Hoje recupero este post do outro blog Como fazer embrulhos de natal (ou outras festividades) mais ecológicos e económicos, dica que contin...